26/11/2019 às 17:51

Fecomércio RJ implanta Conselho de Combate ao Mercado Ilegal

Fórum reúne representantes de diversas entidades da sociedade cível, do poder público e judiciário
Divulgação Fórum reúne representantes de diversas entidades da sociedade cível, do poder público e judiciário

Debater e encontrar caminhos para o combate ao mercado ilegal no estado do Rio. Esse é o objetivo do Conselho de Combate ao Mercado Ilegal, idealizado pela Fecomércio RJ, e que realizou sua primeira reunião na sexta-feira (22), na sede da Federação, no Flamengo.    

O presidente da Fecomércio RJ, Antonio Florencio de Queiroz Junior, abriu a reunião destacando a importância do combate ao mercado ilegal, que tanto prejudica a economia do estado do Rio de Janeiro.

“O consumo de produtos piratas ou ilegais alcança cerca de 2,43 milhões de pessoas no estado, acarretando em um prejuízo na economia de mais de R$ 665 milhões de reais”, comentou Queiroz.

Para João Gomes, um dos organizadores do Conselho de Combate ao Mercado Ilegal e diretor do IFec RJ, a venda de mercadorias ilegais vem crescendo no Rio de Janeiro, o que afeta diretamente não só o comércio legal que a Federação representa, como a sociedade em geral. “Para que possamos discutir medidas que ajudem no combate dessa prática, vimos a necessidade da criação de um conselho para discutir com especialistas da área as melhores estratégias para enfrentar a questão, por meio da utilização de dados e informações técnicas”, ressaltou Gomes.

Zeca Borges e Gabriela Franco, do MOV RIO, instituição que coordena o Disque-Denúncia, parabenizaram a Fecomércio RJ e o IFec RJ pela iniciativa de criar o Conselho. “O crime vem se adaptando ao longo dos anos. Para entender e combater o mercado ilegal é fundamental unir forças”, declarou Borges.

O presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, Edson Vismona, lembrou que vivemos um momento único, onde as esferas municipais, estaduais e federal estão mobilizadas para combater a comercialização dos produtos piratas e ilegais. Também estiveram presentes o presidente do Sindmóveis, Natan Schiper; o representante do Sindióptica, Silvio José Rodrigues de Souza; a Juíza Federal, Caroline Somesom Tauk; representantes da Souza Cruz, Luiza Bustamente e Pedro Mansur; o coordenador de fiscalização do PROCON, Flávio José; o representante da Comissão de Propriedade Intelectual e Combate à Pirataria, Renato Venturini; da ANCINE, Eduardo Carneiro; e o representante da Secretaria de Governo e Relações Institucionais, Carlos Chelfo.