04/06/2019 às 15:21 - Atualizado em 04/06/2019 às 18:09

Intenção de Consumo das Famílias cariocas registra queda

Levantamento registrou segunda retração no comparativo com o mês anterior
Pixabay Levantamento registrou segunda retração no comparativo com o mês anterior

O índice que mede a Intenção de Consumo das Famílias no Rio de Janeiro (ICF/RJ) registrou, em maio, queda de 3,5 pontos frente a abril de 2019, consolidando o processo de desaceleração iniciado em fevereiro, e atingiu 103,9 pontos. Desta forma, o índice aprofunda o desempenho fraco verificado no mês passado, quando caiu 3,1 pontos. Essa é a segunda baixa consecutiva observada no comparativo mês contra mês anterior, após a eleição do presidencial.

A redução, no entanto, acontece a uma velocidade inferior ao crescimento do índice observado a partir da eleição presidencial. Desta forma, a segunda diminuição consecutiva ainda não foi suficiente para devolver os ganhos observados, em outubro de 2018, quando o índice marcou 76,3 pontos. 

Repetindo o resultado observado em abril, houve queda nos sete itens pesquisados que compõem o índice geral, no levantamento da CNC, apurado pelo IFec RJ. A pesquisa utiliza pontuação de 0 a 200 pontos, sendo que os índices abaixo dos 100 pontos indicam grau de insatisfação e acima de 100 pontos, nível de satisfação.

No mês de maio, a redução do ICF/RJ foi impulsionada pela deterioração da perspectiva que o consumidor faz a respeito do seu futuro profissional, medida pelo indicador Perspectiva Profissional. A diminuição de 5 pontos frente a abril de 2019 aprofunda a piora do indicador, que apresentou variação negativa pela quarta vez consecutiva. A Perspectiva de Consumo registrou queda de 2,1 pontos frente ao mês anterior. Incertos sobre o futuro, os agentes econômicos postergam decisões sobre consumo e desta forma contribuem para diminuir a velocidade de recuperação da atividade econômica.

Indicadores em baixa

O indicador Compra a Prazo registrou a segunda maior queda, igual a 4 pontos. A terceira maior baixa foi verificada no item que mede a segurança em relação ao emprego atual, que apresentou recuo igual a 3,5 pontos entre abril e maio, segundo pelo índice Renda Atual, que também anotou a terceira retração consecutiva de 3,4 pontos.

A piora dos últimos dois indicadores está relacionada à profunda crise no mercado de trabalho na cidade do Rio de Janeiro. Levantamentos recentes divulgados pelo IBGE revelaram que a taxa de desocupados na cidade do Rio de Janeiro alcançou 13,1 % no primeiro trimestre de 2019, frente a 12,8% no mesmo trimestre do ano passado. O resultado é igualmente desalentador quando olhamos para os dados que relacionam apenas o saldo de empregos formais. Segundo dados do Caged, a diferença entre admissões e desligamentos na capital fluminense foi negativa e igual a 5.875 nos primeiros quatro meses de 2019.  

Finalmente, os subintes Momento para Duráveis e Nível de Consumo Atual também apresentaram, respectivamente, quedas de 1,8 e 1,2 pontos percentuais.

 

Para download

Pesquisa ICF RJ - 2019 maio | Download